Seis novos veneráveis para a Igreja, entre eles uma mãe de quatro filhos

Compartilhe:

Em audiência ao cardeal Semeraro, o Papa Francisco aprovou os Decretos sobre as virtudes heróicas de cinco mulheres – três religiosas e duas leigas – e de um padre salesiano, missionário no Equador.
Tiziana Campisi – Cidade do Vaticano

A Igreja tem seis novos veneráveis. Na audiência realizada na manhã desta quinta-feira, 23 de março, com o cardeal Marcello Semeraro, prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, o Papa Francisco autorizou a promulgação de decretos que reconhecem as virtudes heróicas de um padre, três religiosas e dois leigos. São eles os Servos de Deus Carlo Crespi Croci, salesiano; Maria Caterina Flanagan, religiosa brigidina; Leonilde di San Giovanni Battista, da Congregação das Irmãs Missionárias dos Sagrados Corações de Jesus e Maria; Maria do Monte Pereira, da Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração; Teresa Enríquez de Alvarado, uma mãe de família; Maria Domenica Lazzeri, leiga.

Uma mãe generosa e atenciosa

Teresa Enríquez de Alvaredo, que viveu na Espanha entre os séculos XV e XVI, foi educada desde criança para uma vida de fé. Foi dama de companhia de Isabella de Castela, a pedido de sua família, casou-se com um ministro da soberana. Ela se tornou mãe de quatro filhos, mas ficou viúva em 1503. Sua fé inabalável e seu amor por Jesus na Eucaristia a levaram a desprender-se da pompa da corte espanhola para se dedicar à oração e às atividades caritativas. Ela se retira para Torrijos, perto de Toledo, e passou a viver uma vida austera e dedicada aos pobres. Tornou-se como uma mãe e educadora de crianças que ficaram  órfãos por causa peste e fome, cuidou de meninas e jovens de rua, cuidou dos doentes e trabalhou para reavivar o culto ao Santíssimo Sacramento. Também administrou a riqueza familiar com inteligência e prudência, destinando-a principalmente a obras de caridade e à construção de lugares de culto, e contribuiu para a fundação de várias confrarias, um mosteiro e quatro conventos. Ele morreu em 4 de março de 1529 e em tempos recentes sua figura emergiu nos Congressos Eucarísticos.

A espiritualidade de Dom Bosco entre o povo do Equador

Missionário no Equador, o padre salesiano Carlo Crespi Croci era originário de Legnano (Itália), onde nasceu em 1891. Em 1923, após concluir seus estudos e e ser ordenado padre, partiu para Cuenca, onde durante 59 anos realizou iniciativas de evangelização, formação e promoção humana e cristã. Tornou-se bem conhecido tanto por suas qualidades de evangelizador – combinadas com um genuíno testemunho cristão – quanto por sua reputação como cientista, especialmente nos campos da botânica e da arqueologia. Os pilares de sua vida espiritual e missionária foram a Eucaristia e Maria Auxiliadora, seu modelo foi São João Bosco, que ele tentou imitar propagando a fé especialmente entre os jovens. Nos últimos anos de sua vida, ele se dedicou ao ministério das confissões, chegando a passar até 17 horas por dia no confessionário. Faleceu com 90 anos de idade.

Padre Carlo Crespi Croci

Uma religiosa em diálogo com os luteranos

Maria Catherine Flanagan nasceu em Londres, no final do século XIX,  e se tornou religiosa da Ordem do Santíssimo Salvador de Santa Brígida.  Aos 19 anos se mudou para Roma, onde Maria Elisabeth Hesselblad – proclamada santa pelo Papa Francisco em 2016 – havia reconstituído a Ordem de Santa Brígida. Na Suécia, ela se dedicou sobretudo às relações com os luteranos, forjando fecundas amizades. Na Inglaterra, ela organizou um centro de acolhida e conseguiu se adaptar a um ambiente difícil graças a seu estilo generoso e útil. Uma mulher enérgica e jovial, animada por um grande fervor e sempre pronta para a caridade para com os sofredores e necessitados, ela foi diagnosticada com câncer em 1935. Ela morreu seis anos mais tarde em Estocolmo em meio a um sofrimento atroz, mas edificando a todos com seu exemplo.

Irmã Maria Caterina Flanagan

Uma vida passada no ensino e para os pobres

Leonilde de São João Batista, de Lisignago, na província de Trento (Itália), ainda era adolescente quando, em 1906, iniciou seu noviciado no Instituto dos Sagrados Corações de Jesus e Maria na cidade de Pola. Mulher de grande fé, ela buscava a união com Deus através da oração, sempre atenta para cumprir fielmente a vontade de Deus. Ao longo de sua vida, ela experimentou as dificuldades da jornada de seu Instituto e numerosos sofrimentos físicos, mas sempre confiou no Senhor e suportou as provas com paciência, preservando sua paz interior. É a generosidade que a distingue no campo da educação, tanto que ela se tornou um ponto de referência tanto para os estudantes quanto para suas famílias, mas também os pobres e as pessoas em dificuldade, espirituais e materiais, se beneficiam de sua ajuda e apoio. Durante a Segunda Guerra Mundial, também se privou das necessidades para doá-los aos necessitados. Ele morreu em 12 de dezembro de 1945.

Irmã Leonilde di San Giovanni Battista

Os sinais dos estigmas em uma jovem camponesa

Maria Domenica Lazzeri, leiga, nasceu e viveu em Capriana no século XIX. Era de uma família religiosa que lhe ensinou as verdades da fé e o simples trabalho do moinho e dos campos. Quando criança, trabalhava para os pobres e os sofredores e, enquanto cuidava dos doentes junto com sua mãe durante uma epidemia grave e infecciosa, ela contraiu a doença. Começou a sofrer de falta de apetite, tinha dificuldades respiratórias, febre e tremores, até mesmo convulsões e foi então diagnosticada com anorexia severa. Em janeiro de 1835, ela recebeu estigmas nas mãos, pés e no seu lado direito. Um mês depois a coroa de espinhos em sua cabeça também se manifestava, pingando, todas as sextas-feiras, com sangue vivo. Ela viveu fenômenos tão extraordinários como um lugar de oração e oferenda, mas com muita dor e evitando se expor. Ela viveu uma pertença especial ao Senhor e à sua Cruz, testemunhando seu amor. Sua vida terrena terminou em 4 de abril de 1848, aos 33 anos de idade.

Maria Domenica Lazzeri

Entre os enfermos da Ilha da Madeira

Também ela viveu entre os séculos XIX e XX, Maria do Monte Pereira, portuguesa da Ilha da Madeira, escolheu a Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus para dedicar-se aos doentes. Ela realizou seu serviço e apostolado em várias comunidades onde foi estimada por suas irmãs e experimentou fenômenos singulares que ela viveu em discrição e humildade. Motivada por seu diretor espiritual, ela transcreveu suas experiências interiores. Mulher de grande força moral, ela se caracterizou por uma notável capacidade de autocontrole que deriva de sua extraordinária intimidade com Deus, e foi com a ajuda da graça que ela conseguiu enfrentar situações difíceis, marcadas por seu precário estado de saúde. Faleceu aos 66 anos de idade, em 18 de dezembro de 1963.

Irmã María do Monte Pereira (no século: Eliza de Jesús)

Fonte: Vatican News

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR​