/
/
Diocese realiza Encontro para Assessores da Infância e Adolescência Missionária

Diocese realiza Encontro para Assessores da Infância e Adolescência Missionária

Neste sábado, 17 de junho de 2023, a nossa Diocese, por meio da Comissão Missionária, realizou o Encontro para Assessores da Infância e Adolescência Missionária EFAIAM. O evento tem o objetivo de formar os atuais e novos assessores da Infância e Adolescência Missionária (IAM) que realizam essa missão nas Paróquias e Áreas Pastorais

O assessor acompanha e orienta um ou mais grupos, favorecendo o protagonismo das crianças e adolescentes segundo o carisma da IAM.

Conheça a IAM

A Pontifícia Obra da Infância e Adolescência Missionária (IAM) tem sua data de fundação em 19 de maio de 1843. Foi quando Dom Carlos Augusto Maria José de Forbin-Janson, então bispo de Nancy (França), sensibilizou se com a realidade descrita pelos missionários que evangelizaram na China, com os quais possuía estreita ligação desde a adolescência.

Para atender ao pedido dos missionários, Dom Carlos convocou as crianças da França para ajudar outras crianças. Com essa inquietação missionária, o bispo conversou com Paulina Jaricot, fundadora da Pontifícia Obra da Propagação da Fé. Assim, as crianças francesas comprometeram-se em rezar uma Ave-Maria por dia pelas crianças da China e a ajudá-las com uma moeda ao mês, expressão de caridade cristã e solidariedade universal.

Em 1922, o Papa Pio XI declarou a Obra da Santa Infância como “Pontifícia”, ou seja, ela difere da atividade apostólica transitória, pois sua organização e testemunho são aprovados e assumidos como Obra evangelizadora a serviço de toda a Igreja.

Objetivos

Por meio do olhar atento às realidades universais, os missionários da IAM agem em suas realidades locais, como protagonistas da missão, comprometidos com os objetivos da IAM de:

  1. Suscitar o espírito missionário universal entre as crianças e adolescentes;
  2. Cooperar espiritualmente com orações, sacrifícios e testemunho de vida;
  3. Despertar e fortalecer as vocações missionárias, no anúncio de Jesus Cristo aos que ainda não o conhecem;
  4. Incentivar pais, educadores e assessores a promover o protagonismo das crianças e adolescentes na evangelização e solidariedade universais;
  5. Cooperar materialmente com ofertas, fruto de renúncias, para ajudar as crianças e adolescentes necessitados dos cinco Continentes.

Compartilhar: