/
/
Virgem e mártir Santa Águeda é festejada em Pesqueira nesta quarta-feira

Virgem e mártir Santa Águeda é festejada em Pesqueira nesta quarta-feira

A cidade de Pesqueira celebra amanha (5) a solenidade litúrgica de Santa Águeda, padroeira da catedral e da cidade. A santa mártir é considerada protetora contra o câncer da mama, visto ter sofrido o martírio tendo os seus seios mutilados, quando ainda viva. Santa Águeda nasceu no século III numa família muito conhecida, em Catânia, na Sicília. Em 254, foi martirizada e se encontra na eternidade, com seu esposo, Jesus Cristo, a interceder por nós.

Em Pesqueira, a santa está sendo festejada desde o último dia 26 de janeiro, quando se iniciou o seu novenário com grande programação. O novenário foi aberto pelo Bispo de Caruaru Dom José Ruy Gonçalves e será encerrado nesta quarta-feira pelo Bispo Diocesano de Afogados da Ingazeira, Dom Egídio Bisol, com celebração às 17h, seguida da Santa Missa. Pela manhã, às 10 horas, haverá missa solene às 10 horas, presidida por Dom José Luiz Ferreira Salles, CSsR, bispo diocesano, transmitida pelas rádios locais de Pesqueira e pela rádio católica Agnus Dei FM.

História de Santa Águeda

Virgem e mártir, Santa Águeda nasceu no século III numa família muito conhecida, em Catânia, na Sicília. Muito cedo, ela discerniu um chamado a Deus consagrando a sua virgindade ao Senhor, seu amado e esposo. A grande santa italiana foi uma jovem de muita coragem vivendo o Santo Evangelho na radicalidade num tempo em que o imperador Décio levantou contra o Cristianismo uma forte perseguição. Aqueles que não renunciassem ao senhorio de Cristo e não O desprezassem eram punidos com muitos sofrimentos até a morte.

Santa Águeda era consagrada ao Senhor, amava a Deus, mas foi pedida em casamento por um outro jovem. Claro, por coerência e por vocação, ela disse ‘não’. Esse jovem, que dizia amá-la, a denunciou às autoridades. Ela foi presa e injustamente condenada. Que terríveis sofrimentos e humilhações!

Ela sempre se expressava com muita transparência e dizia que pertencia a uma família nobre, rica, conhecida, mas tinha honra de servir a Nosso Senhor, o seu Deus. De fato, para os santos, a maior honra e a maior glória é servir ao Senhor.

Entregaram-na a uma mulher tomada pelo pecado, uma velha prostituta para pervertê-la, mas esta não conseguiu, pois o reinado de Cristo se dava no coração de Águeda antes de tudo. Então, novamente, como num gesto de falsa misericórdia, perguntaram-lhe: “Então, o que você escolheu, Águeda, para a salvação?”. “A minha salvação é Cristo”, ela respondeu.

Os santos passaram por muitas dificuldades, mas, em tudo, demonstraram para nós que é possível glorificar a Deus na alegria, na tristeza, na saúde, na dor.

Em 254 foi martirizada e se encontra na eternidade, com seu esposo, Jesus Cristo, a interceder por nós.

Compartilhar: