Retorno às igrejas dia 1º: cuidados especiais para as celebrações

Compartilhe:

No próximo dia 1º de agosto, véspera da celebração dos 102 anos da Diocese, as paróquias, áreas pastorais e reitoria retomarão as suas atividades celebrativas. O Decreto 08/2020 de Dom José Luiz Ferreira Salles, CSsR, bispo diocesano, publicado nesta terça-feira (14) que dispõe as normas para o retorno. Especialmente para a celebração da Santa Missa, cuidados especiais antes, durante e depois deverão ser tomados pelas paróquias. saiba quais são de acordo com o Decreto:

Antes

Antes de cada celebração, sejam dadas as orientações necessárias a todos os participantes. Uma equipe devidamente preparada, oriente os fiéis já na entrada das igrejas, que devem disponibilizar para as celebrações álcool em gel ou líquido 70% para os fiéis. Todos devem usar máscara durante toda a celebração, retirada apenas no momento da Sagrada Comunhão. Sempre que possível, as portas de entrada devem ser distintas das de saída, havendo sinalização de sentido único, de modo a evitar que as pessoas se cruzem e possíveis aglomerações. (n. 3)

Sejam oferecidas, na medida do possível e julgando cada realidade paroquial, o maior número de celebrações, multiplicando os horários das Missas, de acordo com a norma canônica ou dispensa devida do Ordinário. O intervalo entre as celebrações deve ser de, no mínimo, 3 (três) horas, tanto para evitar aglomeração quanto para garantir uma efetiva higienização do ambiente. Onde e quando for possível, deve-se dar preferência às celebrações ao ar livre. (n.7)

Durante

Mantenham-se abertas as portas e janelas das igrejas para que o ambiente permaneça arejado de forma natural e para que os fiéis não precisem tocar em maçanetas ou puxadores, não sendo cabível, ainda, o uso de ventiladores e/ou ar-condicionado.  Após as celebrações, o as igrejas devem ser rigorosamente higienizadas, principalmente espaços mais tocados, como os bancos, maçanetas de portas, microfones, entre outros. (n. 4)

Não sejam utilizadas folhas de cantos, folhetos litúrgicos ou qualquer outro material reutilizável. Os recipientes de água benta na entrada das igrejas devem estar vazios, assim como bebedouros e banheiros nas sacristias, salvo para alguma situação de extrema necessidade. Fica proibido o compartilhamento bíblias, revistas, rosários, folhetos, entre outros. (n. 5)

Os leitores e cantores devem higienizar as mãos antes de tocar nos livros litúrgicos, microfones e demais instrumentos necessários à celebração. As vestes litúrgicas dos ministros leigos não devem ser usadas, tendo em vista que não são de uso pessoal, a não ser que as vestes lhes sejam próprias. (n. 8)

O recolhimento das ofertas ou dízimo deve ser feito pela equipe responsável quando os fiéis estiverem saindo da igreja. (n. 9)

Apenas o presidente da celebração deve tocar nos vasos sagrados durante a celebração, que serão por ele mesmo purificados, higienizando as mãos antes da apresentação das oferendas e imediatamente antes da distribuição da Sagrada Eucaristia. (n. 10)

As âmbulas com as hóstias que serão consagradas devem estar cobertas. (n. 11)

O gesto da saudação da paz permanece omitido. (n. 12)

Na procissão para a Comunhão seja respeitada a mesma distância requerida entre um fiel e outro. Seja reduzido ao máximo o número de ministros da Sagrada Comunhão durante a distribuição, devendo os mesmos higienizar bem as mãos na hora da Comunhão. (n. 13)

A Eucaristia deve ser recebida pelos fiéis nas mãos. Estes devem comungar na frente do sacerdote ou ministro que, neste momento, devem estar de máscara para a distribuição. Os padres evitem o diálogo individual na hora da Comunhão, fazendo o mesmo de uma única vez, dizendo: “O Corpo de Cristo”. Ao que os fiéis respondem de uma só vez: “Amém”. (n. 14)

A saída da igreja deve ser orientada e gradual para que não haja aglomeração. (n. 15)

Depois

(…) Após as celebrações, as igrejas devem ser rigorosamente higienizadas, principalmente espaços mais tocados, como os bancos, maçanetas de portas, microfones, entre outros. (n. 4)

Após a celebração, a igreja deve permanecer arejada e seja cuidadosamente higienizada. (n. 16)

 

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR​