Próximo 26 de janeiro será o Domingo da Palavra de Deus

Compartilhe:

Por meio da Carta Apostólica em forma de Motu Proprio “Aperuit Illis”, “Abriu-lhes”, o Santo Padre, o Papa Francisco, estabelece que “o Terceiro Domingo do Tempo Comum seja dedicado à celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus”. (Aperuit Illis, nº 3).

O nome desta Carta Apostólica, “Aperuit Illis”, “faz referência ao trecho bíblico de São Lucas: “Abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras”. (Lc 24, 45).  “Trata-se de um dos últimos gestos realizados pelo Senhor ressuscitado, antes da Sua Ascensão. Encontrando-se os discípulos reunidos, Jesus aparece-lhes, parte o pão com eles e abre-lhes a inteligência para a compreensão das Sagradas Escrituras”. (Aperuit Illis, nº 1).

Este Motu Proprio foi publicado no dia 30 de setembro de 2019, dia em que a Igreja celebra a Memória litúrgica de São Jerônimo, marcando o início do 1600º aniversário da morte do conhecido tradutor da Bíblia em latim que afirmava: “A ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo”.

A celebração do Domingo da Palavra de Deus está inserida na Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos expressando, deste modo, um valor ecumênico, “porque a Sagrada Escritura indica, aos que se colocam à sua escuta, o caminho a seguir para se chegar a uma unidade autêntica e sólida”. (Aperuit Illis, nº 3).

O Papa Francisco nos ensina que cada comunidade deve encontrar a melhor forma de viver o Domingo da Palavra do Senhor de forma solene. Ele sugere que o texto sagrado seja entronizado na celebração eucarística, que a sua proclamação seja colocada em evidência e que a homilia seja adaptada, pondo-se em destaque o serviço que se presta à Palavra do Senhor. O Papa ainda aponta a possibilidade de os párocos entregarem a Bíblia, ou um de seus livros, a toda a assembleia fazendo “emergir a importância de se continuar na vida diária a leitura, o aprofundamento e a oração com a Sagrada Escritura”. (Aperuit Illis, nº 3).

Esse gesto de doar a Bíblia Sagrada, ou o Novo Testamento, ao Povo de Deus tem sido realizado na Praça de São Pedro, no Vaticano, em diversas catequeses e Ângelus. No Ângelus do dia 31 de agosto de 2014, após a doação do Novo Testamento, o Papa Francisco nos disse: “Servir-vos-á de ajuda, trazer sempre convosco o Evangelho, um pequeno Evangelho, no bolso, na bolsa, para dele ler um trecho durante o dia. Mas sempre com o Evangelho, porque isto significa a Palavra de Deus, poder lê-la”. Será útil para nós e a nossa comunidade que os gestos e as palavras do Santo Padre, o Papa Francisco, alcancem os nossos corações e nos levem a adquirir alguns exemplares do Novo Testamento para doarmos ao nosso próximo neste Domingo da Palavra de Deus. Uma boa opção é a Bíblia Sagrada, Tradução Oficial da CNBB.

Neste Motu Proprio, o Papa Francisco deixa claro que não podemos nos abeirar da Palavra de Deus por mero hábito. Devemos nos abeirar da Palavra de Deus para descobrir e viver em profundidade a nossa relação com Deus e os irmãos; afinal, Deus se revela a nós por meio da Sua Palavra. Deste modo, com a ajuda das Sagradas Escrituras, nós podemos discernir o certo do errado, aprendendo a viver da maneira que agrada a Deus, ou seja, como ensina São Tiago, “devemos ser praticantes da Palavra, e não apenas ouvintes, enganando nós mesmos”. (Tg 1,22).

O Papa Francisco também evidencia que a Palavra de Deus nos desafia a viver a misericórdia, a caridade, a obediência à vontade de Deus, a superar o individualismo e a exercitar a partilha e a solidariedade e, por isso, a Palavra de Deus é sempre nova, decisiva, inquietante e transformadora. Quando percebemos a importância da Palavra de Deus em nossas vidas, nós percebemos também que “o dia dedicado à Bíblia pretende ser não ‘uma vez no ano’, mas uma vez por todo o ano, porque temos urgente necessidade de nos tornarmos familiares e íntimos da Sagrada Escritura e do Ressuscitado, que não cessa de partir a Palavra e o Pão na comunidade dos fiéis”. (Aperuit Illis, nº 8).

Com a criação deste Domingo da Palavra de Deus, o Papa Francisco nos ensina que nas celebrações eucarísticas a Palavra e o Pão se complementam. A Palavra nos ensina a entender a importância e a necessidade do Pão, e o Pão, por sua vez, nos fortalece na vivência e transmissão da Palavra. Por tudo isso, deixemos ecoar em nossos corações os desafios lançados pelo Santo Padre, o Papa, e reforcemos a vontade de buscarmos sempre mais uma assídua familiaridade com as Sagradas Escrituras, valorizando cotidianamente a presença desta Palavra em nossas vidas. Agindo assim, a Palavra de Deus será sempre a lâmpada que ilumina os nossos passos, clareando os nossos caminhos.

Aloísio Parreiras
(Escritor e membro do Movimento de Emaús)

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR​