Padres da Região Arcoverde avaliam experiências de solidariedade das paróquias em tempos de pandemia

Compartilhe:

No último encontro do clero da Região Pastoral Arcoverde com Dom José Luiz Ferreira Salles, CSsR, sacerdotes e diáconos apresentaram ao bispo, em forma de partilha, as diversas iniciativas vivenciadas pelas paróquias para socorrer famílias carentes com situação de vida agravada pela pandemia. Muitas iniciativas foram tomadas por leigos e leigas, com o apoio direto de seus párocos e da Cáritas Diocesana de Pesqueira, para prover o sustento de centenas de famílias na Diocese. Abaixo elencamos algumas delas:

ARCOVERDE

– Paróquia do Livramento, central, grande fluxo de pessoas em busca de donativos diversos.

– Pastoral Carcerária – dificuldades desde fevereiro com o fechamento para visita ao presídio de Arcoverde. Maiores dificuldades em agosto com a reabertura com o alastramento da Covid-19, além de muitos presidiários com câncer. Trabalho da PC junto às famílias dos presidiários com alimentação e outras iniciativas. O trabalho se avolumou e cresceram as dificuldades.

– Preocupação com a realidade da juventude que ”explora seus pais e avós” (Paróquia São Geraldo)

– Cadastro de 100 famílias para assistência com o apoio da Cáritas Diocesana.

– Verificação de uma outra pobreza frente a uma necessidade: a escuta, devido à procura de inúmeras pessoas carentes de serem ouvidas, especialmente a juventude.

– Experiência de construção de banheiros para 70 famílias (CEDEC)

– SERTÂNIA

– Arrecadação de alimento para 100 famílias.

– Assistência e ajuda ao Albergue dos Idosos

– Construção de uma casa para uma família carente.

– Cultura do mutirão plantada no passado pelos padres e aprendida pelo povo mais simples, sobretudo nas periferias e áreas rurais.

– Doação de cestas básicas e partilha com outras comunidades em parceria com a Fundação Terra / atendimento a 18 comunidades (Cruzeiro do Nordeste)

– Situação de êxodo rural bastante acentuada. (Cruzeiro do Nordeste)

TUPANATINGA

– Campanhas educativas com o apoio da rádio local e redes sociais da paróquia: confecção e uso de máscaras e cestas básicas na fase inicial da pandemia.

– Constatação de uma certa frieza do povo quando da reabertura das igrejas, diferentemente do que se esperava.

– Forte incidência político-partidária em toda a vida da paróquia.

– Necessidade de organização da pastoral e das celebrações nas comunidades

– Grande número de pessoas em situação de depressão e outros problemas de ordem psíquica. Parceria com profissionais locais, especialmente na área da Psicologia, com cessão de espaço paroquial para atendimentos.

– BUÍQUE

– Colaboração inicial do comércio e de toda a comunidade na arrecadação de donativos

– Assistência especial aos bairros carentes de São José e Frei Damião

– Criação de um espaço especial para confissões e aconselhamento (Pastoral da Escuta)

– Campanha do Agasalho em parceria com a Cáritas Diocesana e Paroquial

– Campanha do Natal Solidário com visita e cadastramento de 100 famílias carentes, onde pode ser constatada uma concreta situação de fome em várias famílias na paróquia.

– Importância da rádio local como veículo de comunicação, orientação e contato direto da paróquia.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR​