Nova Iorque (Rádio ONU) – O secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, divulgou uma nota após a publicação da encíclica Laudato si, nesta quinta-feira (18/06), em que elogia o documento. Para Ban, o Papa mostra que existe “um consenso científico bastante sólido” sobre o aquecimento global ser “principalmente resultado da atividade humana”. Ban Ki-moon reafirmou que a humanidade tem a obrigação de cuidar e proteger o planeta Terra e mostrar solidariedade com os mais pobres da sociedade que sofrem com os impactos do clima.
Ban fez um apelo aos governos para que coloquem o bem global comum acima de qualquer interesse nacional e espera que os governantes adotem em dezembro, em Paris, um “acordo climático ambicioso”. O secretário-geral também elogiou as contribuições de todos os líderes religiosos sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável. Ban lembrou que a ONU receberá o Papa Francisco, que fará um discurso na organização em setembro, em Nova Iorque.
Chamado à ação
A encíclica Laudato si também foi considerada bem-vinda pelo subsecretário-geral da ONU para o meio ambiente e diretor da agência da ONU para o setor, Pnuma. Achim Steiner elogiou o “chamado à ação” feito pelo Papa, face a “degradação global do ambiente e a mudança climática”. Na avaliação de Achim Steiner, a encíclica toca não apenas os católicos, mas todas as pessoas. Para ele, ciência e religião concordam que o tempo de agir é agora.
Futuro
O diretor do Pnuma lembrou que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável serão adotados em setembro e o acordo do clima deverá ser firmado em Paris em dezembro. Para Steiner, são oportunidades de alterar de forma positiva o curso da história e criar um mundo melhor e igualitário para todos. Por sua vez, a diretora da agência da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, avaliou o documento do Papa Francisco como um pedido de “coragem e de unidade”. Irina Bokova também espera que um novo acordo climático seja adotado este ano, em Paris. (Rádio ONU/RB)

Compartilhe nas redes sociais